A importância de sistemas preventivos para a conservação da história – ORBITAL Engenharia

O incêndio do Museu Nacional no Rio de Janeiro impactou a todos.

Junto com ele, as especulações da falta de alvará de funcionamento e a ausência de um sistema preventivo começaram a aparecer.

Alguns estados, como Minas Gerais, já estão se movimentando para averiguar se seus museus e imóveis de uso coletivo possuem sistema preventivo e se seguem as regulamentações federais, estaduais e municipais.

O post de hoje explica como funcionam os sistemas preventivos e qual a sua importância para museus ou imóveis de uso coletivo, continue lendo!

 

A importância de sistemas preventivos


No dia 02 de setembro de 2018, em um domingo, aconteceu uma tragédia que ninguém previu: um grande incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro.

As horas se passaram e o incêndio continuava, levando com ele uma grande quantidade da história tão única do nosso país.

Infelizmente, o Museu Nacional não foi o único que teve a sua história consumida pelas chamas de um incêndio.

A Cinemateca (2016), o Museu da Língua Portuguesa (2015), o Memorial da América Latina (2013) e o Instituto Butantan (2010) são outros exemplos de locais importantíssimos para a cultura do Brasil que foram perdidos por incêndios.

Cinemateca (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

Museu da Língua Portuguesa, em SP, (Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)

 

Auditório do Memorial da América Latina, em 2013 (Foto: Marco Ambrósio/Estadão Conteúdo)

 

Fogo no Instituto Butantan, em 2010 (Foto: Nelson Almeida/AFP)

Esses acontecimentos poderiam ter sido evitados se no local tivesse  instalado um sistema preventivo contra incêndio

Um sistema preventivo de combate contra incêndio tem como objetivo combater ou tentar combater as chamas antes delas se propagarem evitando um acidente de maiores proporções e proporcionar o bem estar  e a segurança das pessoas.

 

O que são sistemas preventivos?


Os sistemas preventivos são formados, basicamente, por três elementos:

  • Instalação de hidrantes;
  • Instalação de para-raios;
  • Instalação de alarmes, detectores de fumaça e/ou calor, saídas de emergência e sistemas de combate e prevenção ao fogo.

Cada um desses elementos tem uma função extremamente importante na prevenção de acidentes.

A instalação de hidrantes, nesse caso, serve para criar um sistema hidráulico que esteja disponível em caso de emergências.

Em relação ao Museu Nacional, a falta de um sistema hidráulico feito especialmente para o complexo causou a falta de água nos hidrantes, o que prejudicou o combate ao fogo.

Já a instalação de para-raios se dá para evitar descargas elétricas que podem comprometer o sistema elétrico e, claro, para evitar incêndios.

Para se ter uma ideia, o Brasil tem o maior índice de incidência de raios do mundo, cerca de 100 milhões de raios por ano!

Por essa razão, se torna essencial que qualquer local esteja bem protegido com para-raios.

Já a instalação de alarmes, detectores de fumaça ou calor e saídas de emergências é necessária para garantir a segurança dos colaboradores e visitantes dos locais.

A instalação de sistemas de combate e prevenção ao fogo tem a função de evitar que o acidente aconteça, e, se acontecer, seja rapidamente controlado.

O Museu Nacional não contava com um sistema antifogo, o que poderia ter reduzido drasticamente o impacto.

 

Sistema preventivo é obrigatório!


O que muitas pessoas não sabem, é que a instalação de sistemas preventivos não é uma opção, mas uma obrigação!

Em Santa Catarina contamos com as Normas de Segurança contra Incêndios, que orientam em relação aos seguintes itens:

  • Classificação de ocupação dos edifícios;
  • Proteção por extintores;
  • Sistema hidráulico preventivo;
  • Instalação de gás combustível;
  • Saídas de emergência;
  • Paredes corta-fogo;
  • Elevadores de emergência;
  • Dispositivo para ancoragem de cabos;
  • Proteção contra descargas atmosféricas;
  • Iluminação de emergência;
  • Sistema de alarme e detecção;
  • Sistemas de chuveiros automáticos;
  • Sistema fixo de gás carbônico;
  • Sistema de água nebulizada de alta velocidade;
  • Centro de processamento de dados;
  • Instalações industriais de líquidos inflamáveis;
  • Depósito, manuseio e armazenamento de explosivos;
  • Armazenamento de recipientes de GLP;
  • Caldeira estacionária a vapor;
  • Proteção florestal de mata nativa e reflorestamento.

Um bom sistema de prevenção deve levar todos esses pontos em consideração e, além de garantir o bom funcionamento do local, ainda deve dar segurança para os colaboradores e visitantes do local.

Agora que você já sabe qual a importância de um sistema de prevenção, entre em contato com a ORBITAL  Engenharia de Prevenção e Combate a Incêndios, especialista em segurança contra incêndios!

Fontes:
G1
Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina
Estadão
ND Online

A ORBITAL Engenharia de Prevenção e Combate a Incêndios tem sua especialidade na criação de sistemas preventivos contra incêndios.

Dessa forma, sua área de atuação é a instalação de sistemas preventivos, execução e regularização de obras, entrega técnica e manutenção de sistemas preventivos.

Conta com uma equipe altamente qualificada e sempre com novos treinamentos, buscando oferecer seus serviços com a maior qualidade do mercado.

Todos os trabalhos da ORBITAL Engenharia de Prevenção e Combate a Incêndios têm acompanhamento técnico de engenheiros já habilitados.

Acesse neste link todas as informações de contato da ORBITAL Engenharia de Prevenção e Combate a Incêndios, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Sarah das Neves

PMOC segurança e qualidade no ar que respiramos – Eletro Instaladora Limeira

Fonte: Freepik

O ar é essencial para o ser humano e, no fenômeno natural da respiração, não temos a capacidade de enxergar o ar que respiramos.

Toda a vida humana é marcada pelo processo de inspirar e expirar fazendo o ar passar pelas nossas narinas, adentrando em nossos pulmões.

Dificilmente escolhemos o ar que respiramos e mais difícil ainda é qualquer pessoa perceber ou atentar para a qualidade do ar que está respirando, quer seja em um ambiente interno climatizado ou externo, ao ar livre.

A verdade é que geralmente a qualidade do ar de um ambiente climatizado é inferior ao ar externo, e no nosso post vamos mostrar o PMOC e como este plano pode ajudar na qualidade do ar gerado pelos aparelhos de ar condicionados. Leia mais!

 

O PMOC antes da Lei


Até pouco tempo, os responsáveis pelos ambientes climatizados como hospitais, escolas, empresas, shoppings ou qualquer outro lugar público, não davam a devida atenção ao ar que os frequentadores desses ambientes respiravam, embora já existissem orientações da ANVISA de como preservar a qualidade do ar nos ambientes climatizados.

No entanto, a partir de janeiro de 2018, entrou em vigor a Lei 13.589/2018 que determinou que todos os prédios públicos ou privados, serão obrigados a fazer a manutenção em seus sistemas de ar condicionado a partir do PMOC.

 

O que é o PMOC?


Como falamos, toda a manutenção deve ser realizada por meio de um plano, que foi denominado de PMOC – Plano de Manutenção, Operação e Controle, mesmo que o estabelecimento esteja fora da exigência legal.

Assim, o ideal é que o PMOC seja implantado mesmo que não seja atingido o número de Btus exigido na Lei, pois assegurará qualidade em todo o ambiente.

O PMOC já era orientado desde 1998 e era uma exigência da Portaria MS n° 3.523/98 do Ministério da Saúde, citada no seu artigo sexto.

Fonte: Revista do Frio

Assim, o PMOC se constitui em um conjunto de orientações em que é estipulado quando deverão ocorrer as verificações e correções técnicas adequadas em cada ponto do sistema de refrigeração do ambiente em que foi instalado.

Por meio do PMOC também é especificado o número de ocupantes para cada ambiente refrigerado, a carga térmica dos equipamentos e qual o tipo de atividade executada no local.

Dessa forma, a Lei vem fazer cumprir o que já era determinação, mas não obrigatoriedade.

 

Objetivo do PMOC


A Lei nada mais é que um resumo das orientações já existentes para a instalação, controlando e verificando a limpeza, a conservação e a manutenção dos sistemas de climatização, quer seja de um prédio ou de qualquer outro estabelecimento.

Todo o procedimento visa uma maior qualidade e segurança no ar emitido nos ambientes internos e climatizados, livre de qualquer agente causador de algum mal à saúde como ácaros, fungos e bactérias.

Portanto, o Plano de Manutenção, Operação e Controle tem como objetivo principal garantir a excelente qualidade do ar do ambiente, considerando os padrões de temperatura, umidade, velocidade, renovação e grau de pureza.

Além de prevenir ou diminuir os riscos de saúde dos frequentadores dos ambientes climatizados.

 

Como implantar o PMOC?


Para implantação, você deve procurar uma empresa especializada que conheça e atenda as exigências determinadas no PMOC ou poderá contratar um profissional autônomo desde que atenda os requisitos solicitados.

Em ambos casos, é necessário contar com um profissional registrado na ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) junto ao CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia).

Pois, somente um responsável técnico com registro no órgão regulador, poderá elaborar e implementar o PMOC.

São funções do técnico responsável:

  • implantar e manter planos de manutenção;
  • garantir a execução do PMOC;
  • manter histórico de todos os procedimentos executados;
  • divulgar os procedimentos executados aos ocupantes do ambiente.

 

Quem precisa aderir ao PMOC?


A Lei é clara. Todo e qualquer estabelecimento público ou privado, com carga térmica igual ou maior que 60.000 Btus em seus sistemas de ar condicionado, precisam se adequar ao PMOC.

Portanto, clínicas, shoppings, prédios em geral, escolas, empresas deverão providenciar e aderir ao plano, independente dos aparelhos serem modelos split, janelas ou Central.

Ressaltando que, se o seu estabelecimento for visitado pelo Ministério da Saúde e não estiver em conformidade com a Lei a multa chega ao montante de R$ 200.000,00.

 

Vantagens ao utilizar o PMOC


Além de estar livre de uma multa que pode chegar a R$ 200.000,00, uma das principais e mais importantes vantagens do PMOC é a melhoria na qualidade do ar nos ambientes climatizados.

Confira outras vantagens do Plano de Manutenção, Operação e Controle:

  • Redução de custos com manutenção avulsas dos aparelhos;
  • Diminuição com falhas nos sistemas;
  • Aumento da vida útil dos equipamentos;
  • Economia de energia elétrica;
  • Segurança em respirar um ar puro, sem contaminação;
  • Maior conforto.

Agora que você conhece o que é PMOC e caso ainda esteja com as instalações dos aparelhos de ar condicionado de forma ilegal, a Eletro Instaladora Limeira se coloca a disposição para tirar suas dúvidas.

Fontes:
Engenharia e Arquitetura
Revista do Frio

A Eletro Instaladora Limeira atua há mais de 20 anos na região da grande Florianópolis no ramo de serviços elétricos e climatização.

A empresa é formada por uma equipe de profissionais especialistas, com engenheiro responsável e técnicos altamente capacitados na área de soluções em serviços elétricos e climatização.

A Eletro Instaladora Limeira tem como objetivo garantir a satisfação do cliente por meio da qualidade dos serviços prestados.

Especializada também em instalação de ar-condicionados split, piso-teto, K7 e AJC, manutenção preventiva e corretiva, infraestrutura de tubulação para obra e higienização.A Eletro Instaladora Limeira está pronta para atender as normas e orientar na implantação do PMOC no local que você necessita.

Conheça neste link todas as informações de contato da Eletro Instaladora Limeira, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Cisternas: Da falta de água à redução de alagamentos – Casa da Cisterna

ebgesc

Uma das formas mais eficientes de se preservar a água potável para o consumo é aproveitar a água da chuva, que pode ser utilizada em inúmeras atividades, como: limpeza de áreas externas e veículos, regar plantas, descargas sanitárias, piscinas, para lavar roupas, etc.

Esse aproveitamento é feito com o uso de Cisternas, que são recipientes próprios para armazenar a água e mantê-la em condições de uso.

ebgesc

Armazenar a água da chuva é uma atitude ainda mais urgente em locais onde há frequência de falta de água tratada, fornecida pela rede de abastecimento. Isso porque usar água da chuva diminui o uso dessa água tratada, evitando assim que acabe faltando.

 

Redução de enchentes

O que pouco se sabe é que, além de a água da chuva poder ser aproveitada em diversas atividades, seu armazenamento ajuda também na diminuição de enchentes nas cidades.

As enchentes ocorrem por diversos fatores: rios próximos, quantidade de chuva, excesso de lixo nas redes de escoamento de água, e a impermeabilização do solo. É nesse último fator que o uso de Cisternas entra como benefício.

ebgesc

As construções de concreto, asfaltos, prédios, etc., impedem que a água da chuva encontre o solo e seja absorvida pela terra, ficando assim acumulada na superfície. Dependendo da quantidade de chuva, os escoadores (chamados de bocas de lobo) não são suficientes para reter toda essa água, principalmente se estiverem cheios de lixo, o que é comum nas áreas urbanas.

ebgesc

No entanto, se cada residência, prédio e demais edificações tivessem um sistema de armazenamento para a chuva, a quantidade de água depositada nesse chão impermeabilizado seria drasticamente reduzida, prevenindo assim a ocorrência de grande parte dos alagamentos e grandes poças. Outra vantagem é que, depois, essa água armazenada pode ainda ser aproveitada, poupando a água potável e trazendo economia na conta de água de cada um.

Bem se vê que as vantagens em se aproveitar a água da chuva são muitas!

Conheça neste link todas as informações de contato da Casa da Cisterna, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Fluido refrigerante: Por que é necessária a sua reciclagem? – Refriville

Fonte: Blog Seu Paschoal

Apesar de poucas pessoas conhecerem, o fluido refrigerante tem uma grande importância no nosso dia a dia, pois o mesmo está presente em todos os sistemas de climatização e refrigeração dos ambientes.

Mas, infelizmente, o fluido refrigerante tem um grande impacto ambiental caso não seja descartado corretamente, além também de colocar a saúde dos que o manuseiam em risco.

E, hoje já existem meios de recolher esse gás de forma correta e também de reciclá-lo.

Se você quer saber mais sobre o fluido refrigerante, sua função e como você pode reutilizá-lo, continue lendo!

 

O que é fluido refrigerante?

Fluido refrigerante é um produto químico responsável pelas mudanças térmicas nos sistemas de climatização e de refrigeração dos ambientes.

O gás refrigerante, como também é chamado, tem a propriedade de passar do estado gasoso para o líquido.

Esse processo faz com ele absorva o calor e consequentemente resfrie o ambiente.

Consequentemente, ele evapora ao absorver o calor e se liquefaz quando começa esfriar, o que lhe fez ficar conhecido como gás ou fluido refrigerante.

 

Qual a função do fluido refrigerante?

Os fluidos refrigerantes são os responsáveis por absorver todo o calor do ambiente e o conduz por meio do sistema de instalação até chegar nas saídas de ar da unidade externa, também chamada de condensadora.

Em resumo, são eles os responsáveis por todo o funcionamento de um sistema de refrigeração.

 

Qual a composição do fluido refrigerante?

Quanto à composição o fluido refrigerante é classificado em:

  • Os refrigerantes halogenados: amônia, dióxido de enxofre, dióxido de carbono;
  • Hidrocarbonetos não halogenados (metano e outros).

 

O gás refrigerante é nocivo para a saúde e para o meio ambiente

Alguns desses gases refrigerantes, como a amônia e o dióxido de enxofre, são muito tóxicos, e podem causar sérios danos à saúde do profissional que está exposto e vulnerável.

Pesquisas mostram que esses mesmos gases são altamente poluentes e afetam de forma significativa a camada de ozônio.

Preocupados com os efeitos que esses gases causam, autoridades internacionais uniram-se para entrar em acordo, e juntos buscarem soluções para estudar e cuidar da camada de ozônio.

 

O Protocolo de Montreal

Autoridades internacionais, preocupadas em proteger a camada de ozônio do planeta, firmaram em 1987 o Protocolo de Montreal.

Vale a pena abrir um parêntese para informar que a camada de ozônio exerce o papel de proteger a Terra dos raios ultravioleta que são nocivos ao meio ambiente e para o homem.

Fonte: Infoescola

Esse Protocolo se baseia em campanhas para reduzir a produção e principalmente o consumo de substâncias consideradas prejudiciais e responsáveis pelo desgaste da camada de ozônio.

Atualmente, quase duzentos países participam do acordo, não só fazendo campanhas para reduzir o consumo de produtos prejudiciais, mas implantando em seus territórios medidas voltadas para eliminar de forma significativa o consumo de gases nocivos à camada de ozônio.

Em 2015 a revista científica britânica Nature divulgou um estudo afirmando que, graças ao Protocolo de Montreal, a camada de ozônio diminuiu menos do que se esperava. Isso quer dizer que o combate às substâncias que a destroem está funcionando.

Mas, ainda temos muito a ser feito, principalmente quando se trata de fluido refrigerante.

 

Adoção de medidas de segurança

Em 1990, o Brasil aderiu ao Protocolo e comprometeu-se a estudar e proteger a camada de ozônio em solo brasileiro.

E na época foi instituído o PNC – Plano Nacional de Eliminação de CFCs, os gases considerados nocivos à camada de ozônio.

Esses gases passaram por uma melhoria e se tornaram 90 menos agressivos ao meio ambiente e passaram a serem chamados de Hidroclorofluorcarbonos, ou os HCFCs.

 

A camada de ozônio

Em 2007 o Protocolo de Montreal começou a se concentrar em um outro problema: o aquecimento global, pois descobriu-se que os HCFs agravavam de maneira significativa o efeito estufa.

Traçado então o objetivo de até 2040 fazer com que os hidroclorofluorcarbonos sejam extintos.

E para isso foi criado o PBH – Programa Brasileiro de Eliminação de HCFCs, que visa a eliminação gradativa dos HFCs.

 

Sobre os HCFCs

Os HCFCs são gases de extremo impacto ao meio ambiente, isso quer dizer que, são altamente prejudiciais quando liberados diretamente no ar.

Hoje os HCFCs são os gases mais comuns utilizados no setor de refrigeração e estima-se que uma boa parte deles é liberada por meio de vazamentos nos sistemas de climatização e refrigeração.

Somente no Brasil consomem-se 1,3 mil toneladas de HCFCs por ano. Desses 44,7% têm relação com a manutenção de equipamentos de ar condicionado e 51,5% com equipamentos de refrigeração.

E, como solução do problema, uma das orientações do PBH é que se criem os centros de regeneração.

 

O que são os centros de regeneração?

Os centros de regeneração nada mais são que postos de coleta desses gases que serão encaminhados para outro posto, regional, onde serão tratados para possível venda.

Esses centros estão autorizados e aptos a tratar os gases R-12, R-22, R-134a, mistura (blends) de CFCs e HCFCs, desde que cumpram com as normativas do PNC.

Fonte: Ecosave

 

Quem pode ter um centro de regeneração?

Toda empresa que tiver interesse em se tornar um ponto de recolhimentos desses gases, pode fazê-lo, desde que:

  • Atendam as normas do PNC;
  • Solicitem o equipamento junto ao Ministério do Meio Ambiente;
  • Tenham licença ambiental.

 

Como funciona o recolhimento do fluido refrigerante?

O recolhimento do material é feito por meio de máquina solicitada, como dissemos ao MMA, armazenado em bolsas recolhedoras e encaminhado para reciclagem.

 

Sobre a reciclagem

Uma vez recolhido e armazenado adequadamente, o gás refrigerante deve ser encaminhado para o Centro Regional de Regeneração, conforme já falamos.

Lá serão retiradas todas as impurezas dele, como partículas, óleo, umidade e até mesmo outros gases não condensáveis, tudo isso em equipamento especial e capacitado para a função.

 

Reutilização do fluido refrigerante

Depois de todo o processo de regeneração o gás pode ser reutilizado, mas antes é preciso passar por testes de laboratório e só será aprovado se atingir 99,8% de pureza.

Atingido o nível ele poderá ser vendido e usado em consertos e manutenção de outros equipamentos que usam o gás, chegando a custar 40% mais barato.

Portanto, a manutenção do sistema de refrigeração e a correta retirada dos gases fluorescentes é fator determinante para a preservação do meio ambiente e para a saúde dos envolvidos.

Agora que você conhece mais detalhado sobre o fluido refrigerante e suas consequências, contate a Refriville Refrigeração e Climatização, empresa que está engajada no processo de reciclagem do material e faz todo esse processo de reciclagem de forma correta.

Fontes:
G1
Infoescola
Exame Abril

A Refriville Refrigeração e Climatização está sediada na cidade de Joinville e atua no mercado desde 2015.

Sua especialização é voltada para as áreas de ventilação, ar condicionado e refrigeração, atendendo de forma altamente qualificada e inovadora.

Além de atender de forma especializada a necessidade do cliente, preza por cumprir o prazo de entrega e atende o orienta o cliente dentro das normativas e regulamentações nacional.

Conheça neste link todas as informações para contato da Refriville Refrigeração e Climatização, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete das Neves

Saiba tudo sobre o sistema Claroflex! – Cristal Vidros

ebgesc

Fonte: Claroflex

A beleza de qualquer ambiente interno ou externo nos edifícios e casas está, sem dúvida, nos vidros.

Ao mesmo tempo que suaviza os ruídos e barulhos de outros ambientes, o vidro permite que todos possam se sentir integrados a um mesmo local.

Sacadas e terraços com lindas paisagens podem ser os motes decorativos do seu espaço, em ambientes que podem ser abertos e fechados de acordo com a temperatura e o tempo.

Recepções elegantes são projetadas a partir da utilização do sistema Claroflex, que permite um ambiente limpo e aberto, obtendo-se a sensação de prazer e satisfação.

Conheça maiores detalhes do sistema Claroflex, suas vantagens, praticidade e saiba como transformar seu ambiente num espaço mais confortável e elegante. Continue lendo!

 

O que é o sistema Claroflex?

O Sistema Claroflex foi desenvolvido na Espanha e hoje é distribuído em mais de 40 países, devido a sua alta  aceitação, praticidade e baixa manutenção.

É um sistema de envidraçamento moderno que não utiliza rolamentos e funciona apenas com o deslizamento do vidro sobre um trilho.

As principais características deste sistema são:

 

1. Baixa Manutenção

A manutenção é praticamente inexistente, pois os componentes sofrem pouquíssimos desgastes com o uso diário.

 

2. Rapidez na Instalação

Como todo o peso do painel de vidro está apoiado no trilho inferior, a instalação além de simples também é muito segura, facilitando a instalação na parte superior sem grandes mudanças na estrutura. O fato de não existirem rolamentos diminui significativamente o trabalho.

 

3. Adaptabilidade dos Painéis

Possuindo poucos componentes, que são adaptáveis a qualquer altura e tamanho dos painéis, o sistema Claroflex é versátil, atendendo a qualquer projeto de engenharia.

 

4. Eficiência Energética

A inexistência de frestas, colaboram para que o sistema Claroflex seja determinante na economia de energia elétrica, uma vez que os condicionadores de ar trabalham menos, podendo reduzir a conta em aproximadamente 10%.

 

5. Qualidade

Os componentes utilizados nas instalações dos sistemas Claroflex são peças sólidas em metal anticorrosivo, garantindo a segurança dos usuários e qualidade no que se refere a durabilidade das peças e aspecto visual.

 

6. Cortina de vidro

O grande diferencial do sistema Claroflex em relação aos outros é sua qualidade em comparação com as outras cortinas de vidro do mercado, já que tem alta resistência ao vento.

ebgesc

Fonte: Claroflex

 

Outros detalhes do sistema Claroflex que você precisa conhecer!

O sistema Claroflex vem pronto para a instalação e possui a maior regulagem do mercado, permitindo diversas opções de forma fácil e descomplicada.

Os alumínios são pré-cortados e usinados e vem prontos para que o vidro seja colado. Eles não são perfurados por furadeiras, o que evita perdas e processos complicados.

Agora que você já sabe quais são as vantagens do Sistema Claroflex, entre em contato com a Cristal Vidros para fazer um orçamento!

ebgesc

A Cristal Vidros é uma empresa moderna, atenta às novidades do mercado e pronta para atender consumidores exigentes e que queiram aliar a preços competitivos, produtos de alta qualidade.

Atuando com vidros e espelhos de forma profissional e oferecendo o que existe de melhor em termos de produtos e serviços, a Cristal Vidros obedece as normas ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, garantindo conforto e segurança a seus clientes.

Profissionais altamente capacitados estão prontos para desenvolverem instalações das mais diversas soluções de vidraçaria com competência e agilidade.

A Cristal Vidros oferece também coberturas para as áreas externas, oferecendo a instalação de pergolados com vidros, criando ambientes aconchegantes e ótimos para decoração.

Também faz parte da lista de produtos o kit para banheiro Box Elegance, que moderniza e sofistica o ambiente, pois é fabricado em latão cromado e tem cinco anos de garantia.

Conheça neste link todas as informações de contato da Cristal Vidros, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Plataforma do eSocial segue evoluindo e apresentando mudanças – Ambientec

O recurso online, referido como eSocial, segue em constante evolução no meio digital. A plataforma, que estava programada para entrar em vigor no dia 16 de julho a todas as empresas com faturamento de até R$78 milhões, estendeu seu prazo de coleta de informações iniciais para até o fim de setembro. Com isso, a segunda etapa do processo também sofreu alterações, sendo firmada para o dia 10 de outubro de 2018.  Vale lembrar que o processo de faseamento  foi adiado para as empresas de segundo grupo, ou seja, aquelas com lucro anual inferior a R$78 milhões.

Além das mudanças em seu cronograma, o eSocial passou por uma evolução sistemática, disponibilizando um novo instrumento para declaração de débitos previdenciários e de terceiros, conhecido como DCTFWeb (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais). O sistema de armazenamento pode ser acessado na página online da Receita Federal, e as informações solicitadas devem ser cadastradas por meio do Darf (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) e entregues no 15º dia do mês que segue a ocorrência dos fatos geradores.

ebgesc

A expansão da plataforma ganhou novos contornos com a possibilidade de acesso, pelos usuários, ao eSocial Bx (baixador de arquivos), que permite que as empresas entrem em consonância com o ambiente nacional, tanto na transmissão quanto na sincronização dos eventos e recibos promulgados; o download dos arquivos solicitados é liberado após o informe dos números do identificador. Algumas condições foram estabelecidas para a utilização da ferramenta, como, por exemplo: o empregador tem o direito a, no máximo, 10 solicitações por dia; o requerimento pode ser feito entre os dias 1º e 7º de cada mês; é permitida uma solicitação de cada vez.

Para que as empresas e empregadores garantam o pleno funcionamento de seu sistema operacional, o governo disponibilizou um aparato digital que permite a checagem de dados processuais dos eventos cadastrados. Essa medida visa detectar a causa raiz de possíveis atrasos no sistema, identificando se o problema é proveniente do mau funcionamento das redes da própria empresa, ou de interferências em nível nacional. A verificação será feita tanto para os envios de dados fiscais quanto para os testes institucionais. O monitoramento acontecerá a cada quinze minutos, e o status será identificado pelas cores do semáforo: verde, amarelo e vermelho. Sendo verde correspondente ao fluxo normal da rede, amarelo referente à lentidão processual causada pelo excesso de arquivos, e vermelho identificando à indisponibilidade da rede.

Tem dúvidas sobre como o eSocial vai afetar sua empresa na área de Segurança e Saúde Ocupacional? Preparamos um Check List para que veja como está sua situação agora e o que precisa melhorar. Clique aqui e acesse! www.ambientec.com/esocial

Conheça neste link todas as informações de contato da Ambientec, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

PMOC agora é lei! Você está preparado? – Gelar Climatização

ebgesc

Fonte: PMOC online

A poluição é um dos maiores vilões para a saúde, especialmente tratando-se de doenças das vias respiratórias.

No entanto, tanto os proprietários quanto os usuários ainda não têm a devida preocupação com a qualidade do ar que se respira nos ambientes climatizados.

Esses ambientes, na maioria das vezes, não atendem às normas estabelecidas para que o ar produzido seja de qualidade para o frequentador.

E, o ar contaminado pode estar sendo absorvido pelo nosso organismo nas lojas, supermercados, escolas, hospitais, shoppings, clubes, igrejas e qualquer lugar fechado onde são utilizados os aparelhos de ar condicionado, sem sequer nos darmos conta.

Para uma maior segurança dos usuários, em janeiro de 2018 foi sancionada a Lei 13.589/2018, que torna obrigatório em todos os edifícios de uso público e coletivo, o PMOC.

Saiba mais sobre o PMOC na continuidade do nosso post.

 

Sobre o PMOC

O Plano de Manutenção, Operação e Controle já existe desde 1988, mas era apenas uma normativa do Ministério da Saúde.

O PMOC é um sistema que determina por meio de um regulamento técnico, os procedimentos básicos a serem cumpridos tanto na instalação, vistoria e manutenção de aparelhos de ar condicionados em estabelecimentos públicos.

E para se fazer cumprir essas normativas, em janeiro de 2018, o Governo Federal aprovou a Lei 13.589 que torna o PMOC uma obrigatoriedade.

 

Qual o objetivo do PMOC?

O Plano de Manutenção, Operação e Controle tem como principal objetivo garantir uma melhor qualidade do ar em ambientes climatizados de uso coletivo, por meio de uma manutenção rotineira e preventiva.

O programa estabelece medidas básicas no que se refere a vistoria e a manutenção de todos os sistemas de climatização do estabelecimento.

A medida tem por finalidade fazer com que os equipamentos, e todas as estruturas que fazem parte do processo de climatização de um estabelecimento, estejam livres de fungos, bactérias, ácaros e outros agentes nocivos.

O que refletirá na preservação da saúde dos ocupantes.

 

Como funciona o PMOC

O PMOC se constitui num conjunto de documentos onde constarão:

  • Todas as informações a respeito do local;
  • Informações do sistema de climatização;
  • Dados do responsável técnico;
  • Procedimentos e rotinas relacionados à manutenção e sua execução.

Dessa forma, todas as informações sobre as manutenções e procedimentos são registradas e os dados passam a fazer parte da documentação do sistema ficando disponível para o caso de fiscalização.

Resumindo, o PMOC é uma compilação de todas as informações sobre os procedimentos referentes ao estado de limpeza, conservação e manutenção dos sistemas de climatização.

 

Por que aderir ao PMOC?

O ar sujo lançado pelo ar condicionado pode conter inimigos invisíveis que ameaçam à saúde humana.

Dessa forma, aderindo ao PMOC, o proprietário do estabelecimento terá a certeza de estar fornecendo um ar de qualidade para os usuários do local.

Aderir ao Plano de Manutenção, Operação e Controle vai trazer outras vantagens, como:

  • Estar em cumprimento com a lei;
  • Permanecer isento de multas e complicações;
  • Maior vida útil dos equipamentos;
  • Economia de energia elétrica.
ebgesc

Fonte: Asbrav

 

Quem deve se enquadrar ao PMOC?

O certo é todo proprietário ou locatário de ambientes climatizados e de uso público elaborar um PMOC, independente da capacidade dos aparelhos.

No entanto, todos os ambientes coletivos que no somatório da potência dos aparelhos de ar condicionado ultrapassarem 60.000 BTUs terão que se enquadrar ao PMOC, ou seja, a elaboração do PMOC para estes estabelecimentos é obrigatória.

Penalidades para o não cumprimento

Lembrando que o não cumprimento da legislação, pode levar à multas que podem chegar a R$ 200.000,00 e pode ainda determinar o fechamento do ambiente.

ebgesc

Fonte: PMOC.online

 

Como enquadrar meu estabelecimento ao PMOC?

O melhor caminho, sem dúvida, é a contratação de uma empresa especializada que possua conhecimento e experiência em relação às normas exigidas, além de certificação para exercer a atividade.

Somente um responsável técnico registrado no órgão regulador poderá elaborar e implantar o PMOC .

Esse profissional será o responsável por:

  • Implantar e determinar os planos de manutenção necessárias;
  • Manter todo o histórico dos dados referentes aos procedimentos realizados;
  • Assinar o documento.

Vale ressaltar que o profissional deve ter sua ART, Anotação de Responsabilidade Técnica, registrada junto ao CREA, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia.

No documento assinado pelo técnico responsável constará:

  • A identificação do estabelecimento;
  • O número de pessoas que usam o ambiente climatizado;
  • A lista dos ambientes climatizados;
  • O total da carga térmica;
  • O tipo de atividade que é exercida no local e a periodicidade.

Enquadrar o PMOC no seu estabelecimento, além de fazer com que você fique legalizado, vai também mostrar que você é consciente e se preocupa com a qualidade do ar para os seus frequentadores.

E agora que você sabe que precisa enquadrar o seu estabelecimento a ele, conte com a orientação e garantia de qualidade da GELAR Climatização.

Fontes:
Planalto do Governo
Engeman

ebgesc

A GELAR Climatização é uma excelente opção quando o assunto envolve legislação e obrigações voltadas ao conforto climático.

Atuando em Blumenau e região, a GELAR Climatização oferece serviços de qualidade enquadrando seu estabelecimento ao PMOC e garantindo a todos os usuários que visitam seu ambiente conforto e segurança.

A GELAR Climatização mantém uma equipe de profissionais que garante a segurança e qualidade do ar, atendendo às normas estabelecidas no PMOC.

Acesse neste link todas as informações de contato da GELAR Climatização, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes

Pavão & Associados: Quando o condomínio possui garantidora de crédito, o condômino inadimplente tem direito a votar em assembleia?

ebgesc

Que o condômino pode ter o seu direito de voto restringido devido à inadimplência das taxas condominiais, não é segredo para ninguém, inclusive, via de regra, essa previsão se encontra nas próprias Convenções de Condomínio.

Isto porque, o artigo 1.335 inciso III do Código Civil Brasileiro, determina que o condômino tem direito a “votar nas deliberações da assembléia e delas participar”, desde que esteja quite, além de que, dentre as suas obrigações, a primeira é contribuir para as despesas do condomínio na proporção das suas frações ideais (…)” (artigo 1.336, inciso I, da Lei supracitada).

Nesse contexto, é importante esclarecer que o impedimento de voto em assembleias na hipótese de inadimplemento de taxa condominial, trata-se em verdade, de medida aplicada em caráter pedagógico, a fim de alcançar a regularidade dos respectivos pagamentos, e que, justamente por ser uma conduta prevista em lei, não se configura como penalidade vexatória, sendo, portanto, absolutamente lícita.

Todavia, tornou-se comum a contratação de empresas que, além de prestarem serviço de cobrança, atuam como garantidoras de crédito, mediante sistema de antecipação de contas, por meio do qual a empresa contratada se compromete a garantir um determinado limite de taxas atrasadas por condômino.

Em razão dessa nova realidade, o questionamento apresentado ao título se demonstra muito pertinente, e a resposta dependerá exclusivamente do modo pelo qual o adiantamento de crédito foi contratado: se, com ou sem sub-rogação.

ebgesc

A fim de melhor esclarecer, a sub-rogação trata-se de um instrumento jurídico por meio do qual ocorre a transferência dos direitos do credor para aquele que quitou a obrigação respectiva, de maneira que a dívida será considerada extinta somente em face do antigo credor, mas permanecendo os direitos obrigacionais do novo titular do crédito, e para ser válida, deverá estar expressa e claramente prevista no contrato firmado entre as partes (condomínio e garantidora), conforme preceitua o artigo 347, inciso I do Código Civil.

Assim, em razão da substituição da figura do credor, o condômino não será mais considerado inadimplente perante o condomínio, e, portanto, diante da quitação da dívida por terceiro, não se sujeitará à restrição do exercício de voto em assembleia.

De outro lado, inexistindo cláusula de sub-rogação, o adiantamento das quantias possui apenas e tão somente a capacidade de amenizar o impacto gerado pela inadimplência no fluxo de caixa, permanecendo o condomínio na figura de credor e o condômino, na de devedor.

Sendo assim, o condômino inadimplente faz jus ao impedimento de exercer o direito de voto, nos termos previstos na Lei e em eventual Convenção Condominial, visto que a contratação de empresa garantidora não afasta o dever que lhe é imposto no que tange ao cumprimento de suas obrigações.

Assim, conclui-se que a garantia contratada não será suficiente para configurar o adimplemento do condômino, por não haver transferência de direitos relacionados às taxas condominiais em favor da garantidora, cabendo ainda ao condomínio, auxiliar na cobrança das taxas em atraso, ser representado por meio de seu síndico em eventual demanda judicial, devendo fornecer documentos e rol de testemunhas, e comparecer às audiências de conciliação ou instrução de julgamento, permanecendo legítimo para receber tais valores, apesar da contratação de empresa especializada para cobrança.

ebgesc
Endine Meigan Pires de Lima Ferreira
Advogada – OAB/SC.47.548
Pós graduanda em Advocacia Imobiliária, Urbanística, Registral e Notarial

 

A importância da manutenção preventiva e a segurança dos elevadores – ABA Elevadores

ebgesc

Os elevadores estão cada vez mais presentes na nossa vida.

É difícil falarmos com alguém que não utilize um elevador no mínimo uma vez por semana.

Infelizmente, os acidentes que ocorrem em elevadores também estão crescendo.

Em 2016, apenas no estado de Goiás, estima-se que ocorreram 345 acidentes envolvendo elevadores.

O post de hoje vai mostrar sobre a importância da manutenção preventiva e a segurança dos elevadores, continue lendo!

 

O funcionamento de um elevador

Apesar de ter se tornado um equipamento de uso quase diário, o funcionamento de um elevador é bem complexo e envolve várias partes.

O elevador normalmente é separado em setores:

  • Casa de máquinas;
  • Quadro de energia;
  • Quadro de comando;
  • Máquina de tração;
  • Limitador de velocidade;
  • Fita seletora;
  • Gerador excitador;
  • Polia de desvio;
  • Cabina;
  • Contrapeso;
  • Porta;
  • Pavimento;
  • Fundo do poço.

Cada setor é essencial para o funcionamento do elevador e tem sua função própria.

Ao ocorrer o mau funcionamento de um desses setores, todo o sistema será abalado, podendo ocorrer acidentes.

Por isso, a manutenção preventiva é essencial, não apenas para evitar acidentes, como também para prolongar a vida útil do elevador.

 

O que é manutenção preventiva?

A manutenção preventiva, assim como o nome já sugere, é a manutenção que deve ocorrer para evitar acidentes.

Essa manutenção deve ocorrer em todos os setores do elevador.

Apesar do uso da palavra manutenção, isso não quer dizer que irá ocorrer a troca de todas as peças.

A manutenção preventiva ocorre por meio da observação e testes e somente se algum problema for detectado, há a troca de peças.

Mas, como já falamos, o sistema do elevador não está contido apenas no local de uso. Também é composto pela casa de máquinas e quadro de energia.

Dessa forma, a manutenção preventiva tem como função a verificação do bom funcionamento de todas as partes.

Muitas pessoas pensam que para as peças estragarem é necessário haver um acidente, mas isso não é verdade.

A maior parte das peças do elevador é composta de material oxidável, por isso, com o passar do tempo as peças acabam sofrendo algum tipo de degradação.

Existem, basicamente, dois tipos de manutenção preventiva: a total e a parcial.

Assim como nome já sugere, a manutenção preventiva total é aquela que ocorre em todas os setores do elevador, enquanto a parcial apenas nas mais comuns de ocorrer problema.

 

Como ocorre a manutenção preventiva?

Cada empresa fará a manutenção preventiva da sua maneira, mas, basicamente, consiste na limpeza, lubrificação e verificação de cada setor do elevador.

Apesar de muitas pessoas não saberem, é necessário haver uma limpeza nas diferentes peças do elevador para garantir seu perfeito funcionamento.

Também é durante a manutenção preventiva que ocorre o teste dos sistemas de emergência, como freio de segurança, comunicação com a cabina e funcionamento das portas.

Por existir esse sistema de emergência, vários acidentes são evitados ou, no mínimo, amenizados, reforçando ainda mais a importância de haver a manutenção preventiva do elevador.

 

Garantindo a segurança do elevador

A segurança de um elevador é essencial para o bom funcionamento de uma empresa, residência ou estabelecimento.

Por isso, é recomendado que seja feita uma vez por mês uma manutenção preventiva parcial.

Claro que pode-se diminuir esse frequência a partir do momento que há uma manutenção preventiva total.

A manutenção preventiva não deve ser vista como um gasto a mais, já que na realidade, locais que efetuam manutenções preventivas constantes tendem a economizar, evitando-se a quebra ou mau funcionamento, que traria um custo maior de reparo.

Além disso, todo mundo prefere andar em um elevador seguro, certo?

Após ocorrer a manutenção preventiva do elevador é colocado um certificado no formato de um adesivo, mostrando que o elevador foi inspecionado e quando deverá ser novamente.

A manutenção é tão importante que em 2013, foi criado um projeto de lei que dispõe a obrigatoriedade de conservação e manutenção preventiva de elevadores, mas ainda não foi aprovado.

Entre em contato com a Aba Elevadores para marcar sua manutenção preventiva e garantir a segurança do seu elevador!

Fonte:
G1
Super Interessante
Como Isso Funciona

ebgesc

Com sede em Rio do Sul, a Aba Elevadores fabrica e desenvolve equipamentos no mercado de elevação.

Preza por oferecer produtos com durabilidade, alta usabilidade, qualidade e garantir a segurança do usuário.

Além disso, está sempre buscando inovações tecnológicas para seus produtos.

É especializada em:

  • Elevadores especiais;
  • Elevadores residenciais;
  • Elevadores comerciais;
  • Acessibilidade;
  • Elevador plataforma de escada;
  • Cargas;
  • Monta-cargas.

Conheça neste link todas as informações de contato da Aba Elevadores, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Texto escrito por: Sarah das Neves

Vender ou alugar imóveis? Qual a melhor opção hoje? – Costão Sul Imóveis

ebgesc

Você recebeu um imóvel de herança ou conseguiu comprar um segundo e não se definiu se a melhor opção é alugar ou vender?

Essa é uma dúvida bem comum entre proprietários de casas ou apartamentos, de terrenos e até mesmo de estabelecimentos comerciais.

Se você é dono de um desses bens e não sabe se vende ou aluga, continue lendo nosso post, pois iremos mostrar qual a melhor opção para o seu imóvel.

O momento da decisão

Como dissemos ter dúvida entre vender e alugar um imóvel é mais comum do que se imagina.

Mas, a decisão depende de uma série de fatores que devem ser levados em consideração, como, por exemplo, preciso de um valor mais alto para investir ou pagar dívidas contraídas? Se a resposta for sim, a venda é a indicação.

ebgesc

Fonte: pont4

Mas, existem vários fatores que fazem com que a locação seja melhor, e entre elas citamos:

Valor sentimental

Existem imóveis que representam um valor afetivo muito grande para as pessoas.

Esses casos, muitas vezes, estão ligados com herança. É a velha casa onde se passou a infância e que é cheia de boas recordações.

Muitas vezes vender um imóvel que tem esse valor afetivo pode, mais tarde, gerar um sentimento de arrependimento.

Na dúvida, para não ficar com ele fechado e sem uso, a melhor opção é alugar e caso não se sinta bem, pode não renovar o aluguel quando vencer o contrato.

Valorização da região e do imóvel

Outro fato bem comum é vender um imóvel por determinado valor e um ano depois ele está custando muito mais porque a região onde ele estava construído valorizou-se.

Consequentemente o imóvel também foi valorizado e se você tivesse esperado um pouco e analisado as tendências do mercado imobiliário teria lucrado muito mais.

Aluguéis em zona nobre são mais altos

Casas de alto padrão e situadas em áreas nobres têm o valor de aluguel mais alto que os praticados normalmente pelo mercado imobiliário.

E muitas vezes é bem mais compensador alugar uma residência de alto padrão do que vendê-la.

Até porque quando o preço do imóvel é muito alto geralmente a venda é mais demorada.

ebgesc

 

Maior procura

Existe muito mais procura para alugar que para comprar, o que valoriza o imóvel, elevando os valores do aluguel.

Se a maior procura é pelo aluguel, isso quer dizer que é mais fácil a locação, comparado com a venda. O que significa um retorno mais financeiro mais rápido.

Certeza do recebimento mensal

Alugar seu imóvel em desuso, é certeza de recebimento mensal garantido.

Uma imobiliária de renome e confiança na cidade em que você mora ou onde seu imóvel está situado garante o pagamento do aluguel mesmo se o inquilino não pagar.

A maioria delas, mesmo o inquilino atrasando o pagamento do aluguel, repassa mensalmente para o locador o valor do contrato.

Isso lhe dá a certeza de uma renda fixa mensalmente enquanto durar o contrato.

Isenção de taxas e impostos

Se você tem um imóvel parado, independente do tempo que for, você deverá arcar com as despesas de IPTU e com taxas de condomínio no caso de apartamento.

Alugando você fica isento desses pagamentos, uma vez que os mesmos ficam por conta do inquilino.

Garantia de cuidados e segurança do seu imóvel

Quem tem um imóvel desocupado sempre está em alerta em relação à segurança.

E os medos variam desde invasões, assaltos, incêndios acidentais e muitos outros incidentes que podem acontecer quando um imóvel está em desuso.

Sem contar a limpeza que deve ser feita frequentemente, interna e externamente gerando gastos desnecessários.

Alugar para temporada

Em regiões de litoral, é comum o proprietário cuidar e morar na casa durante todo o ano e, durante a temporada de verão, colocar o imóvel a disposição para locação, atendendo a grande demanda de turistas que procuram por casas e apartamentos nessas épocas.

É uma grande oportunidade para ganhar uma renda extra.

Agora que você conhece um pouco mais sobre as vantagens em alugar um imóvel e decidiu colocar o seu terreno, sua casa ou seu apartamento para locação, procure a Costão Sul Imóveis para garantir um trabalho de qualidade e eficiência para você e para o locatário.

Fontes:
Gazeta do Povo
Revista Zap

ebgesc

A Costão Sul Imóveis atua há mais de quinze anos ajudando proprietários tanto na venda como na locação do seu imóvel.

Também ajuda de forma eficaz e qualificada os locatários a encontrarem o imóvel dos seus seus sonhos.

Além dos imóveis residenciais, a Costão Sul também aluga terrenos, galpões, prédios e salas comerciais e locamos seu imóvel também na temporada.

Entre neste link para mais detalhes sobre o Costão Sul Imóveis, empresa parceira do Catálogo Empresarial CREA-SC.

Matéria escrita por: Marlete Lopes